Visita Especial - Equipe Canadense

No mês de abril, recebemos duas visitas especiais na Maple Bear Santana - Mrs. Karen Carter e Mr. Tore Christer.

Mrs. Carter foi responsável pelo In-School Training, programa de treinamento de professores da Maple Bear. Esse treinamento ocorre semestralmente e garante que os elementos da metodologia de ensino canadense (como os learning centers, circle time, language input, dentre outros) sejam aplicados com sucesso. Após duas semanas nas duas unidades, ela fez comentários extremamente positivos sobre as professoras e sobre a escola. Já o Mr. Christer fez o Quality Assurance, um programa de dois dias de avaliação da escola. Em sua visita à Frei e à Condessa, ele verificou segurança, uso de inglês, rotinas escolares, procedimentos, sistema de avaliação, tamanho de salas de aula, número de alunos por sala e quantidade de profissionais por alunos. Além disso, ele também conduziu fire drills, e ficou surpreso com o quanto os alunos já estão habituados a esse processo.

Ficamos muito gratos pelas visitas desses dois profissionais tão importantes para nossa escola!

Mrs. Karen Carter Mr. Tore Christer

Nova parceria no Brasil

É com grande alegria que compartilhamos IMPORTANTES NOTÍCIAS sobre nossa nova parceria no Brasil.

A Maple Bear Global Schools e o Grupo SEB (Sistema Educacional Brasileiro), um dos maiores e mais bem-sucedidos grupos educacionais do país, acabam de firmar um acordo de importância sem precedentes.

Acreditamos que essa parceria representa um marco, não somente na história da Maple Bear, mas no próprio setor educacional brasileiro. Um acontecimento que beneficiará diretamente nossos alunos em todo o Brasil.

Todas as práticas que fazem da Maple Bear referência em Ensino Bilíngue - pedra fundamental de nossas escolas - permanecem absolutamente inalteradas.

O time acadêmico no Brasil continuará sendo gerido pela Maple Bear Global Schools, e permanecerá devotado à entrega da internacionalmente reconhecida metodologia canadense, ao apoio irrestrito dos mais experientes educadores, à capacitação do corpo docente, ao cultivo das mais bem-sucedidas práticas educacionais e ao meticuloso processo de certificação. As escolas Maple Bear seguirão também seu forte relacionamento com o Canadá, em geral, e com suas instituições educacionais em particular.

Com mais de 50 anos dedicados à Educação, o Grupo SEB é protagonista de uma história de notável sucesso, construída sobre valores como a busca incessante pela excelência e liderança na inovação aplicada ao ensino.

Finalmente, queremos agradecer aos senhores por escolherem a Maple Bear, antecipando um futuro de grandes realizações para seus filhos.

ROBERTO STERSI
Mantenedor Maple Bear Santana e
Equipe Maple Bear Brasil

Feedback Especial

No 1º semestre, os alunos do IK e do Year One lançaram a Campanha MAPLE BEAR CARES.

A partir desse momento, contamos com a colaboração de todos e recebemos muitas doações de agasalhos, brinquedos, alimentos não perecíveis, material de higiene e fraldas descartáveis.

E, com muita alegria e satisfação, realizamos no mês de Junho, a entrega de todas as doações recebidas ao Núcleo Batuíra.

O Núcleo Batuíra - Serviço de Promoção da Família é uma instituição sem fins lucrativos, localizado em Guarulhos desde 1973 e que visa ao atendimento da comunidade, por meio de atividades de convivência socioeducativas, inclusão produtiva, creche, educação infantil, ensino fundamental e abrigo para idosos. Conheça melhor, acesse: nucleobatuira.org.br

núcleo batuíra núcleo batuíra núcleo batuíra

Compartilhamos aqui a LINDA CARTA DE AGRADECIMENTO que recebemos deles

carta agradecimento doação núcleo batuíra

Equipe Maple Bear aprendendo

No dia 30/JUL, nossa Equipe participou do Curso de Primeiros-Socorros e Prevenção de Acidentes com foco no Ambiente Escolar.

Nossos Colaboradores participaram de oficinas práticas, realizadas pelo Projeto Creche Segura, com cenas vivenciadas no atendimento de primeiros-socorros, além de rodas de discussão entre eles.

equipe maple no curso de primeiros socorros

Aprenderam sobre...
convulsão, desmaio, trauma na cabeça, trauma ocular e dental, ferimentos com sangramento, entorse e crise de asma, prevenção e atendimento ao engasgo e atendimento à parada cardiorrespiratória no adulto, na criança e no bebê.

equipe maple bear no curso de primeiros socorros

equipe maple bear no curso de primeiros socorros

equipe maple bear no curso de primeiros socorros

Rodas de Discussão
Kit de primeiros socorros, armazenamento/controle de medicamentos, números importantes, intoxicação, sangramento nasal, febre e queimaduras

equipe maple bear no curso de primeiros socorros equipe maple bear no curso de primeiros socorros


E assim nossa Equipe passou 8h de muito aprendizado. Agora estamos mais preparados para cuidar da saúde e da segurança de nossos alunos com o mesmo carinho e a mesma dedicação de sempre!

cabecalho curso de língua portuguesa

Com o objetivo de proporcionar à Equipe (Funcionários e Professores) MAPLE BEAR SANTANA constante atualização que auxiliará a todos em seu desempenho profissional, foi elaborado um CURSO DE APRIMORAMENTO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Mensalmente, a equipe receberá por e-mail módulos que deverão ser estudados no período de 2 semanas, sendo que, na 3a., será disponibilizado o gabarito das atividades propostas.

CRONOGRAMA:

18/JUL MÓDULO 1 - Tipologia Textual
15/AGO MÓDULO 2 - Adequação ao nível de Linguagem
12/SET MÓDULO 3 - Adequação Vocabular
10/OUT MÓDULO 4 - Gramática de Uso
07/NOV MÓDULO 5 - Verbos de Comando

PORQUE PODEMOS MELHORAR, SEMPRE!

Os participantes que realizarem ao menos 75% das atividades receberão um CERTIFICADO de conclusão do curso

CONTAMOS COM A PARTICIPAÇÃO DE TODOS!

O sensacional crescimento da Maple Bear Índia

O rápido crescimento da Maple Bear Índia nesse último ano acadêmico é uma história de grande sucesso que vale a pena ser compartilhada! O incrível número de 28 franquias surgiu no ano escolar de 2015-2016. Algumas das localidades, em especial, são expansões de novas cidades nas regiões central, leste e sul da Índia.

Segundo o presidente do grupo, Alok Kumar Modi, o crescimento da Maple Bear Índia pode ser atribuído à presença da Maple Bear no mercado há mais de dez anos. A reputação da Maple Bear se propaga através de histórias de sucesso das experiências dos pais, da satisfação dos mantenedores e do valor e força dos professores, que são compartilhados com entusiasmo através da comunicação boca-a-boca.

“A filosofia Maple Bear de proporcionar uma educação infantil e fundamental significativa através de um sistema de bases sólidas e profundas se propaga com força entre a comunidade de pais e mantenedores”, diz o presidente Modi.

“Eu acredito também que, através da Maple Bear, nós já começamos a construir uma comunidade de aprendizes que tem o seu propósito e que cuida, sendo esta não limitada às crianças, mas se estendendo a pais, avós, professores e amigos que com elas se relacionam”, acrescenta ele.

equipe maple bear na india


A Equipe Maple Bear Índia

Hazel Siromoni, director operacional da Maple Bear Índia, ressalta que a marca Maple Bear tende a atrair pais jovens que procuram por uma educação para o(a) seu/sua filho(a) diferente do modelo tradicional de aprendizado mecânico.

“Os pais estão reconhecendo as forças do rico programa da Maple Bear, que é centrado na criança e baseado na alfabetização e no bilinguismo.”, relata Siromoni.

De fato a marca Maple Bear tem vivenciado não apenas uma expansão – com a abertura de novas escolas – mas também um crescimento vertical em termos de níveis mais elevados do padrão educacional. Os pais têm, cada vez mais, demonstrado interesse em manter seus filhos no sistema educacional da Maple Bear além da Educação Infantil, ocasionado na abertura de várias escolas de Educação Fundamental Maple Bear.

No próximo outono a Maple Bear Índia organizará o seu primeiro encontro de grande escala com 100 mantenedores, que irão se reunir para aprender, fazer novas descobertas e discutir sobre melhores práticas. Será um evento marcante para comemorar o sensacional crescimento da Maple Bear Índia.

Maple Bear Global Schools (07/07/16)

Carta do Embaixador do Canadá sobre a MAPLE BEAR

Educação sempre mereceu uma atenção especial no tocante às muitas colaborações e acordos pactuados entre os governos do Brasil e do Canadá.

Acreditamos que cultivando uma paixão pelo conhecimento entre crianças e adolescentes, os países estão aprimorando-se para desempenhar um papel decisivo em uma economia globalizada, abrindo caminhos para um futuro de grandes êxitos.

A este respeito, estamos certos de que os altos padrões de excelência acadêmica do ensino canadense podem contribuir de forma significativa para um futuro promissor na educação dos brasileiros.

Como sabemos, o Canadá tem o melhor a oferecer em termos de sistema de ensino bilíngue e educação infantil. Mas tem sido um prazer inigualável presenciar a dedicação e o êxito da Maple Bear Canadian Schools na implementação de instituições de ensino de qualidade superior no Brasil.

Parabéns Maple Bear pelo excelente trabalho na promoção de altos padrões de excelência acadêmica desenvolvidos em todo o país, contribuindo para o futuro do Brasil e fortalecendo os vínculos de amizade entre os povos do Brasil e do Canadá.

(assinatura)
Jamal A. Khokhar
Embaixador do Canadá

carta embaixador canadá

Atividade Especial: Assemblies

Nesta última sexta-feira demos início a nossas assemblies, um momento de comunidade na escola para que assuntos importantes para as crianças sejam discutidos. O primeiro tema em discussão foi: Play Nice! - os alunos do Year 1 falaram sobre a importância de brincar sem machucar os amigos.

atividade assemblies atividade assemblies atividade assemblies

"Para jogar certo" - Publicação Vejinha SP

matéria veja matéria veja

Baixar versão PDF

Ser bilíngue aumenta a inteligência

Falar uma segunda língua aumenta a inteligência, a fluência verbal e de leitura, mesmo quando o idioma é aprendido na idade adultas. Essas são as conclusões de um estudo da Universidade de Edimburgo, na Escócia.

Pesquisadores liderados pelo professor Thomas Bak, do Centre for Cognitive Ageing and Cognitive Epidemiology, compararam testes de inteligência de 262 pessoas. O primeiro teste do grupo foi feito quando essas pessoas tinham 11 anos de idade. O segundo teste foi feito quando já tinham mais de 70 anos.

O estudo, publicado na revista científica Annals of Neurology, concluiu que o grupo apresentava habilidades cognitivas significativamente melhores do que as registradas na infância.

Uma pesquisa anterior já havia concluído que ser bilíngue pode atrasar em vários anos o desenvolvimento de demência.

Dois tempos

O estudo tomou como ponto de partida resultados de testes de inteligência feitos em 262 escoceses quando tinham 11 anos de idade.

Os pesquisadores submeteram o mesmo grupo, agora com mais de 70 anos de idade, a novos testes, e analisaram o estado de suas habilidades cognitivas na velhice.

Todos os participantes disseram ser capazes de se comunicar em pelo menos uma outra língua além do inglês.

Desse grupo, 195 aprenderam a segunda língua antes dos 18 e 65 aprenderam depois dos 18 anos de idade. A pesquisa foi feita entre 2008 e 2010.

Inteligência e leitura

As áreas mais afetadas pelo aprendizado de uma nova língua é a da inteligência e leitura. As conclusões foram as mesmas tanto no grupo que aprendeu o segundo idioma na infância quanto no que aprendeu mais tarde.

Durante o estudo, uma das questões levantadas foi se as pessoas eram mais inteligentes e por isso aprenderam uma segunda língua ou, se por aprenderem um segundo idioma, tornaram-se mais inteligentes.

Bak disse que o padrão revelado pelo estudo era "significativo" e que as melhorias na atenção, foco e fluência não podiam ser explicadas pela inteligência original (constatada a partir dos testes feitos na infância).

"Esses resultados são de relevância prática considerável. Milhões de pessoas no mundo adquirem sua segunda língua mais tarde na vida. Nosso estudo mostra que ser bilíngue, mesmo quando a segunda língua é aprendida na idade adulta, pode ser benéfico para o cérebro em envelhecimento".

(Link da notícia)

Por que bilíngues são mais espertos

Falar duas línguas ao invés de somente uma tem benefícios práticos óbvios em um mundo mais e mais globalizado. Entretanto, de alguns anos para cá, cientistas começaram a mostrar que as vantagens do bilinguismo são mais fundamentais do que estar apto a conversar com um número maior de pessoas. Ser bilíngue, descobriu-se, torna você mais esperto. O bilinguismo pode ter um efeito profundo no cérebro das pessoas, melhorando habilidades cognitivas que não são relacionadas à linguagem e até protegendo contra a demência em uma idade avançada.

Esta visão do bilinguismo é notoriamente diferente da maneira que o bilinguismo foi entendido durante a maior parte do século XX. Pesquisadores, educadores e legisladores há muito tempo consideravam a segunda língua uma interferência, do ponto de vista do aprendizado, que atrapalhava o desenvolvimento acadêmico e intelectual da criança.

Eles não estavam errados quanto à interferência: há uma grande evidência de que, em um cérebro bilíngue, ambos os sistemas linguísticos ficam ativos mesmo quando se está usando apenas uma língua, criando assim situações em que um sistema obstrui o outro; mas esta interferência, os pesquisadores estão descobrindo, é muito mais uma vantagem disfarçada do que uma desvantagem. Ela força o cérebro a resolver conflitos internos, fazendo com que a mente se exercite de modo a fortalecer seus músculos cognitivos.

Os bilíngues, por exemplo, parecem ser mais hábeis do que os monolíngues ao resolver certos tipos de tarefas lógicas. Em um estudo de 2004 das psicólogas Ellen Bialystok e Michelle Martin-Rhee, foi pedido a estudantes da bilíngues e monolíngues de Pré-Escola para colocarem círculos azuis e quadrados vermelhos apresentados em uma tela de computador dentro de duas lixeiras digitais – uma marcada com um quadrado azul e a outra marcada com um círculo vermelho.

Em sua primeira tarefa, as crianças tinham que organizar as formas pela cor, colocando os círculos azuis na lixeira marcada com o quadrado azul e os quadrados vermelhos na lixeira marcada com o círculo vermelho. Ambos os grupos fizeram isto com facilidade equivalente. Em seguida, foi pedido às crianças que organizassem por forma, o que foi mais desafiador, porque isto requeria colocar as imagens em uma lixeira marcada com uma cor conflitante. Os bilíngues foram mais rápidos ao fazerem esta tarefa.

A evidência coletiva de determinado número de tais estudos sugere que a experiência bilíngue melhora a chamada função executiva cerebral – um sistema de comando que direciona os processos de atenção que usamos para planejar, resolver problemas e executar várias outras tarefas mentalmente exigentes. Estes processos incluem ignorar distrações para se ficar focado, mudando a atenção voluntariamente de uma coisa para outra e mantendo a informação na mente – como, por exemplo, lembrar uma sequencia de endereços enquanto se está dirigindo.

Por que a batalha entre dois sistemas linguísticos simultaneamente ativos melhora estes aspectos da cognição? Até recentemente, pesquisadores achavam que a vantagem de ser bilíngue derivava primariamente de uma habilidade para a inibição que era aprimorada pelo exercício da supressão de um sistema linguístico: esta supressão, pensava-se, ajudaria a treinar a mente bilíngue a ignorar distrações em outros contextos. Mas esta explicação mais e mais parece ser inadequada, desde que estudos mostraram que os bilíngues realizam melhor até tarefas que não requerem a inibição, como traçar uma linha através de uma série ascendente de números dispersos aleatoriamente em uma página.

A principal diferença entre bilíngues e monolíngues pode ser mais básica: uma elevada habilidade para monitorar o ambiente. “Os bilíngues tem que mudar de língua com bastante frequência – você pode falar com seu pai em uma língua e com sua mãe em outra”, diz Albert Costa, um pesquisador da Universidade de Pompea Fabra, na Espanha. “Ser bilíngue requer que se mantenha registro das mudanças ao seu redor do mesmo modo que monitoramos o que nos cerca quando dirigimos”. Em um estudo comparando bilíngues Germano-Italianos falantes com monolíngues italianos, em tarefas de monitoramento, Costa e seus colegas descobriram que os sujeitos bilíngues não somente tiveram um desempenho melhor, mas também o fizeram com menor nível de atividade nas partes do cérebro relacionadas a monitoramento, indicando que eles eram mais eficientes.

A experiência bilíngue parece influenciar o cérebro da infância até a idade adulta (e há uma razão para se acreditar que isto também possa se aplicar àqueles que aprendem uma segunda língua mais tarde em suas vidas).
Em um estudo de 2009, conduzido por Agnes Kovacs da Escola Internacional de Estudos Avançados em Trieste, Itália, bebês de sete meses expostos a duas línguas desde o nascimento foram comparados com outros criados com exposição a apenas uma língua. Em um grupo de experimentos iniciais, era mostrado às crianças um trecho de áudio e em seguida lhes era mostrado um bichinho de estimação em um lado de uma tela. Ambos os grupos de crianças aprenderam a olhar para aquele lado da tela antes que o bichinho aparecesse. Mas em um outro grupo de experimentos, quando o bichinho começou a aparecer no outro lado da tela, os bebês expostos a um ambiente bilíngue rapidamente aprenderam a mudar o olhar antecipadamente para a nova direção enquanto os outros bebês não o fizeram.

Os efeitos do bilinguismo também se estendem até os últimos anos da vida. Em um estudo recente realizado com 44 Espano-Ingleses bilíngues idosos, cientistas conduzidos pelo neuropsicólogo Tamar Gollan da Universidade da Califórnia, em São Diego, descobriram que indivíduos com um grau de bilinguismo mais alto – medido por meio de uma avaliação comparativa da proficiência em cada língua – foram mais resistentes do que os outros contra a aparição de demência e de outros sintomas do Alzheimer: quanto maior o grau de bilinguismo, mais tardia a aparição.

Ninguém nunca duvidou do poder da linguagem. Mas quem imaginaria que as palavras que nós ouvimos e as sentenças que nós falamos poderiam deixar marcas tão profundas?

Versão original The New York Jornal, de 18 de março de 2012, na página SR12 com a manchete: Por que Bilíngues são mais espertos.

Crianças bilíngues desenvolvem a memória melhor do que crianças monolíngues

Um estudo realizado na Universidade de Granada e na Universidade de York, em Toronto, no Canadá, revelou que as crianças bilíngues tem um melhor desenvolvimento da memória, que mantém, processa e atualiza as informações durante curtos períodos de tempo do que crianças monolíngues. A memória desempenha um papel importante na execução de uma grande variedade de atividades, tais como o cálculo mental (uma vez que tem que se lembrar de números e operar com eles) ou de compreensão de leitura (dado que isto requer associação dos conceitos sucessivos num texto).

O objetivo deste estudo, que foi publicado na última edição do Journal of Experimental Child Psychology, foi examinar como o multilinguismo influencia o desenvolvimento da memória e investigar a associação entre a memória e a superioridade cognitiva de pessoas bilíngues encontrados em estudos anteriores.

Funções Executivas

O desenvolvimento da memória inclui as estruturas e processos associados com o armazenamento e processamento de informação ao longo de curtos períodos de tempo. É um dos componentes das chamadas "funções executivas": um conjunto de mecanismos envolvidos no planejamento e na auto-regulação do comportamento humano. Embora a memória seja desenvolvida durante os primeiros anos de vida, pode ser formada e melhorada com a experiência.

De acordo com a pesquisadora principal do estudo, Julia Morales Castillo, do Departamento de Psicologia Experimental da Universidade de Granada, este estudo contribui para compreender melhor o desenvolvimento cognitivo em crianças bilíngues e monolíngues. "Outros estudos demonstraram que as crianças bilíngues são melhores em planejamento e controle cognitivo (ou seja, tarefas que envolvem a seleção de informações irrelevantes ou que exijam uma resposta dominante). Mas, até agora, não havia nenhuma evidência sobre a influência do bilinguismo no desenvolvimento da memória.

A amostra do estudo incluiu crianças bilíngues entre 5 e 7 anos de idade (um período crítico no desenvolvimento da memória). Os pesquisadores descobriram que as crianças bilíngues tem melhor desempenho do que as crianças monolíngues tarefas que envolvam o uso da memória. De fato, quanto mais complexa a tarefa, melhor o desempenho deles. "Os resultados deste estudo sugerem que o bilinguismo não só melhora a memória de forma isolada, mas também afetam o desenvolvimento global de funções executivas, especialmente quando eles têm de interagir uns com os outros", afirma Morales Castillo.