Afinal, o que é o movimento maker na educação?

O ensino tradicional, com alunos absorvendo o conhecimento do professor, sentados em cadeiras enfileiradas, pode estar perto do fim, graças ao movimento maker na educação.

Esse movimento ainda está no seu início, mas promete trazer um novo olhar sobre a dinâmica da sala de aula. O foco aqui é o aluno, ele é protagonista do seu próprio aprendizado.

Ficou curioso? Continue a leitura e saiba mais sobre essa metodologia mais moderna e suas vantagens para alunos e professores.

O que é movimento maker na educação?

A expressão “maker” está ligada ao verbo fazer no inglês, ou seja, as crianças “fazem seu próprio ensino”. Em outras palavras, a autonomia das crianças durante o processo de aprendizagem é muito importante.

São dadas ferramentas, exercícios, orientações para que executem suas tarefas, seja de maneira individual ou em grupo, a fim de alcançar evolução do seu conhecimento.

Qual a necessidade desse tipo de abordagem?

A sociedade muda conforme as transformações, a tecnologia, por exemplo, trouxe a possibilidade de produzirmos conteúdos criativos e ter acesso a muito mais informação.

Então, os modelos de ensino dedicados a uma formação tecnicista não são mais necessários, ou seja, as escolas não formam apenas mão de obra para o trabalho, mas pessoas criativas e autônomas na formação de seu conhecimento.

Os pilares do movimento maker

Cada pessoa possui seu processo na hora de assimilar conhecimento, não é verdade? Pois bem, a proatividade é ingrediente fundamental para que cada aluno consiga desenvolver seu próprio processo de aprendizagem.

Outro pilar desse modelo de ensino é o trabalho em equipe, que colabora para que os alunos troquem seus conhecimentos e busquem soluções para problemas reais.

Na sala de aula, esses alunos vão colocar a “mão na massa” nas aulas, vão criar diferentes caminhos para chegar a um resultado, ressaltando as características de cada um.

Como as escolas podem implementar esse modelo

Como vimos, esse tipo de modelo de ensino tem impacto na cultura da escola, é algo que precisa estar decidido em todo o corpo docente para que possa dar certo mesmo.

Então, ter professores capacitados é fundamental, por isso que, quem procura por esse tipo de escola para seus filhos, deve pesquisar se a equipe está toda engajada no mesmo objetivo.

Principalmente porque as diferenças entre uma aula tradicional e uma aula com esse tipo de método são muitas, a adaptação das instituições e dos alunos será um processo gradativo.

Esse é o movimento maker na educação e o que ele pode fazer pelos alunos, ajudando a construir cidadãos que buscam seu próprio processo para o conhecimento.

E que estão abertos para a inovação e para a criatividade, sem dúvida qualidades que vão ser muito interessantes quando estiverem para além dos muros da escola.

Afinal, infelizmente muitos adultos perdem a criatividade e a noção da sua importância ao longo dos anos, porém, esse tipo de abordagem incentiva o despertamento do lúdico, usado para lidar com os desafios na escola.

Por fim, considerando que a educação ajuda a construir um mundo melhor no futuro, modernizar as metodologias de ensino pode ser o caminho certo.